Mensagens

A INVESTIGAÇÃO EM CONTEXTO EMPRESARIAL
A recolha de informação é um aspecto central no processo de decisão empresarial. A quantidade e, sobretudo, a qualidade de informação definirão procedimentos a adotar, anteciparão possíveis problemas, e contribuirão para a melhoria da eficácia na gestão empresarial. As rotinas da atividade empresarial contemporânea implicam uma adesão a princípios deontológicos e éticos, bem como o respeito por altos padrões de qualidade e eficácia. Neste sentido, nos momentos em que surgem desafios a estes propósitos, a  organização tem que identificar e analisar variáveis que possam ter contribuído para os resultados não desejados. Logo, a implementação de um processo eficaz de investigação interna tem que ser implementado. No âmbito deste, para além dos procedimentos sistematizados de análise (contabilística, jurídica, gestão, técnica), a recolha de informação a partir dos diferentes intervenientes será um momento fundamental, aquilo que na literatura anglo-sax…

Violência e Abuso - Respostas simples para questões complexas

Imagem
Uma excelente obra da Prof. Teresa Magalhães, hoje em dia a grande referência nacional no âmbito do abuso de crianças e jovens. este manual é uma obra de referência para quem está a iniciar os seus estudos sobre estas temáticas e para investigadores e profissionais já no terreno. Sem dúvida nehuma uma obra indispensável!
http://www.wook.pt/ficha/violencia-e-abuso/a/id/5101536

A violência, na qual se inclui o abuso, constitui um grave problema social e de saúde pública, com relevantes prejuízos para as vítimas, suas famílias e sociedade. Importa, por isso, que toda a comunidade esteja informada sobre esta problemática e sobre as estratégias e soluções para identificar, tratar e prevenir este tipo de vitimização. A presente publicaçào tem como objectivo dar resposta, num formato simples, a dúvidas frequentes sobre este assunto, contribuindo para criar uma maior sensibilização e atenção face à existência destes casos, bem como para promover a capacidade de cada um para os identificar e ori…

Abuso de Crianças e Jovens: da suspeita ao diagnóstico

Imagem
Sem dúvida Nenhuma o livro de referência em língua portuguesa no campo dos abusos a crianças e jovens, escrito por profissionais que trabalham todos os dias esta temática no terreno http://www.fca.pt/lidel_index2.html Descrição: O trabalho de detecção, sinalização, diagnóstico e prevenção do abuso de crianças e jovens requer o envolvimento de todos, desde o Estado à população em geral, incluindo as próprias vítimas e suas famílias, tendo em vista a sua protecção. Requer, particularmente, a máxima cooperação das instituições com competência legal nesta matéria e uma intervenção de nível profissional e especializado de todos os que trabalham com estes casos.



Assim, os profissionais deverão estar habilitados a detectar os casos, sendo certo que só se encontra o que se sabe procurar. Deverão, ainda, estar sensibilizados para um trabalho multidisciplinar, articulado com os diferentes intervenientes neste processo, conhecendo e respeitando o papel e competência de cada um; de facto, “investig…
Venho aqui anunciar a publicação do Livro "A Criança na Justiça - Trajectórias e significados do processo judicial de crianças vítimas de abuso sexual intrafamiliar" pela minha colega e amiga Catarina Ribeiro. Será realizada na loja da Almedina do Arrábida Shopping a apresentação do livro amanhã dia 19 de Junho às 21h30. Aconselho vivamente a leitura deste livro, visto que, na minha perspectiva, é a primeira grande obra da Psicologia Forense Portuguesa, que dá um interessante e real perspectiva da relação entre a criança e o sistema de justiça. Este trabalho é um importante instrumento de trabalho clínico, no campo da Psicologia Forense, mas sobretudo um importante instrumento de análise da administração da justiça em Portugal. A sua leitura pelos diversos actores judiciais, bem como pelos decisores políticos, é essencial. De realçar também que é um importante veículo de contacto, para o leitor, com a sagacidade clínica e a criatividade científica daquela que é a melhor Psic…

Curso de Formação em Peritagem Forense - Avaliação e Intervenção Psicológicas no Abuso Sexual de Crianças

Data de realização
21 de Março de 2009


ISCSN - Departamento de Psicologia Clínica




Coordenação científica
PROF. DOUTORA MARIA EMÍLIA AREIAS
Coordenação pedagógica
PROF. DOUTORA ALEXANDRA SERRA
Introdução
No plano dos crimes sobre crianças, o abuso sexual, quer por todas as suas dinâmicas e dimensões que envolve, quer pela crescente mediatização dos casos que vão sendo conhecidos, tem sido objecto de uma particular atenção. A fenomenologia do abuso sexual retrata-nos um crime privado e secreto, na maior parte das situações praticadas na intimidade da família, sobre o qual a vítima é a única testemunha, ou seja, o único meio (indirecto) de conhecimento da Verdade (Manita, 2003).

Enquadrado por estas premissas legais, ao Psicólogo Forense é lhe solicitada a descrição do Subjectivo sob o preceito da Credibilidade, ou seja, compete ao Psicólogo ? Perito uma avaliação psicológica da criança com o objectivo de verificar a relação entre o seu funcionamento psicológico e o (s) acto (s) que a colocar…

Menores: Crimes sexuais triplicaram em Portugal entre 2002 e 2007 - PGR

Os crimes sexuais contra menores triplicaram em Portugal entre 2002 e 2007, contabilizando cerca de 1.400 casos/ano, e cerca de 3,62 por cento ocorreram com crianças institucionalizadas, revela um relatório hoje divulgado pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

Estes dados constam de um relatório do Grupo de Prevenção do Abuso e do Comércio Sexual de Crianças Institucionalizadas, dirigido pela procuradora-geral adjunta Maria José Morgado e criado por decisão do procurador-geral da República, Pinto Monteiro.

De acordo com o relatório, a que a Agência Lusa teve acesso, o "número total de crimes envolvendo crianças menores de 5 anos tem vindo sempre a aumentar desde 2003 até 2007, num total de 628", dados que são baseados num estudo da Unidade de Informação da Polícia Judiciária (PJ).

O grupo dividiu o trabalho em duas dimensões: "A da agressão sexual tradicional, de proximidade familiar ou análoga, e a da agressão sexual objecto do negócio sexual, da indústria criminosa,…